VISITA da Sra. Adriane Aparecida dos Santos – representante da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana.

Compartilhe

10/06/2011

Quando a Plataforma Terráqueos foi lançada em fevereiro de 2011, escolhemos a Coleta Seletiva como tema de nossa primeira mobilização. Isso porque já temos um trabalho de sensibilização com os alunos e suas famílias; recolhemos papel, plástico e alumínio e encaminhamos para a ASMAC, e isso desde 2009. Entretanto, essa logística não é simples, pois implica: disponibilizar funcionários para receber e transportar o material até o container que fica fora da escola; disponibilizar sacos de lixo; e também contar com a boa vontade das famílias que transportam as sacolas nos carros.


Temos consciência de que essa dinâmica é transitória e artesanal. Conhecendo outros modelos de outras capitais, principalmente fora do Brasil, concluímos que não podemos nos acomodar com essas "boas ações", mas precisamos, paralelamente, sinalizar junto aos órgãos públicos que a comunidade que se reúne em torno do Colégio Santo Agostinho tem grande interesse e reconhece a importância e urgência da implantação ampla, geral e irrestrita da Coleta Seletiva no município e nas cidades próximas.


Os aterros, sanitários ou não, na verdade, enterram uma grande riqueza e poluem o solo e os leitos dos rios. Qualquer investimento em galpões de triagem, caminhões, mão de obra, propagandas educativas, dentre outros, ainda é pouco diante do bem que a coleta seletiva amplamente implantada pode trazer.


Dentro desse contexto é que escrevemos uma carta dando o nosso recado, pontuando o quanto consideramos importante essa temática. Recolhemos assinaturas via www.plataformaterraqueos.org.br e encaminhamos para a Prefeitura em maio de 2011. Como resposta a essa carta, recebemos, no dia 06 de junho, a visita de Adriane Aparecida dos Santos, representante da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana de Contagem. A reunião contou com representantes dos alunos (Grêmio Estudantil); Direção; Professores e Funcionários. O que se segue são algumas impressões desse encontro.


Na sombra está uma mentalidade onde prevalece o atraso, ainda grande, e em todos os sentidos: moradores que produzem lixo em excesso e não fazem a separação; falta de visão daqueles que têm o poder de propor e executar projetos; ausência de um pensamento sistêmico que exclui, com isso, a integração entre as secretarias (educação, meio ambiente, limpeza urbana, dentre outras); ausência de investimentos nos projetos (na velocidade que se faz necessária) que podem reverter a situação a médio e longo prazo. Os "urubus" que ganham com a inexistência e inoperância de uma política para o lixo e que, com isso, atrasam o processo.


Estamos ainda falando de trabalhos com carroças carregadas de material de construção no lombo de um burro. Ou então, homens e mulheres que empurram um carrinho que chega a pesar 70 kg quando vazio. Esse quadro é paralisante e desanimador. Contudo, fazemos uma ressalva com relação ao exemplo inspirador da Adriane, como alguém que "não quer saber dos erros do passado, mas quer fazer algo hoje".


Em curto prazo não é possível vislumbrar o recolhimento do lixo porta a porta por um caminhão de lixo apropriado. A logística de recolhimento ainda é dependente do catador e de suas associações que fazem um trabalho louvável, entretanto não atendem à demanda de toda a cidade.


Temos a opção para quem é morador de condomínios (prédios ou de casas). Ligar para 0800 2831 225 e solicitar a visita da Adriane, que irá até o local, dará as explicações e o agendamento regular da coleta seletiva naquele local.


Para quem mora em casa, o caminho é o mesmo, entretanto é o catador de papel que fará esse trabalho de recolhimento.


Um galpão de triagem no Aterro Sanitário será inaugurado em julho. Ele terá capacidade para processar até 13 toneladas/dia - equivalentes a 10% de todo o material reciclável produzido diariamente no município, gerando trabalho e renda para mais de 110 pessoas, apenas no trabalho interno.


Essa é a situação. Até 3ª feira próxima (dia 14), centenas de cartas serão entregues na Prefeitura ou na Secretaria de Limpeza Urbana. Cada carta foi escrita ou desenhada por um aluno da Educação Infantil à 3ª série do Ensino Médio, com sua letra, com seu endereço e da forma como desejou se expressar. Essa é uma forma de dizer: investir na redução e reciclagem do lixo é uma bandeira da Plataforma Terráqueos e tem o nosso apoio.


Enquanto isso, continuaremos recebendo, todos os dias o lixo para reciclagem. Deixe na portaria que nossos funcionários irão depositar no container.


Não deixe ir para o aterro sanitário aquilo que pode ser reciclado.


Em nome da Plataforma Terráqueos