Conflito na região do Araguaia: Será preciso mais 20 anos?

Compartilhe

18/12/2012

Companheiros e companheiras a situação aqui na região do Araguaia está tensa, cada dia mais preocupante. Após idas e vindas à Brasília daqueles que são opositores à desintrusão não contavam com a firmeza do Supremo Tribunal Federal ao manter a decisão da desocupação do território de Marãiwatséde, historicamente pertencente ao povo Xavante. Criou-se uma expectativa de que o prazo máximo da desintrusão seria cumprido, afinal o Governo Federal garantiu sua tropa de Elite para o cumprimento dessa ordem judicial.

Mas o que estamos vendo e assistindo através da mídia é que, ao invés de se resolver um problema que já se arrasta por mais de 20 anos, estão criando centenas de outros, principalmente para as cidades do entorno. O nosso bispo D. Pedro Casaldáliga, foi forçosamente obrigado a ir para o exílio – está fora de sua casa para não ser sequestrado e assassinado.

Uma Indígena Xavante estava em trabalho de parto e saiu da aldeia na viatura da saúde, escoltada pela polícia da Força Nacional e mesmo assim não conseguiram ultrapassar a barreira feita na BR 158, que está acontecendo desde a cidade de Barra das Garças até o local da desintrusão (Posto da Mata).

Em várias cidades aqui da região já começa acontecer o desabastecimento de alimentos, combustível, etc. O pior dessa situação é que cresce assustadoramente a Ideologia do Etnocentrismo acompanhada de forte preconceito de morte aos povos indígenas, particularmente Xavantes. Não foi por acaso, que tentaram assassinar o cacique Damião e seu filho Mário, por pouco não morreu em uma emboscada próximo à aldeia.

Comenta-se por aqui que até pistoleiros do Estado do Pará foram contratados para executarem alguns trabalhos na região. Boa coisa não pode vir daí. Surge o boato de que até o linhão (cabos de energia que abastecem a região) serão cortados caso o "Governo" não desista da desocupação. Pasmem todos se isto, de fato vir acontecer.

Os agentes de pastoral da Prelazia de São Félix do Araguaia são frequentemente hostilizados quando saem às ruas, nos supermercados, etc. Tememos que o pior possa acontecer com alguns deles. A situação está gravíssima a ponto de acontecer uma tragédia sem precedentes, a qualquer momento. É claro que não queremos violência, mas sim uma operação da força do governo mais enérgica e eficaz, no sentido de garantir a população em geral o seu direito de ir e vir e que a vida continuasse “normal”. Toda a população irá ficar refém de um grupo de oportunistas que, conscientemente roubaram a terra dos Xavantes e agora estão espalhando o terror em toda a região com bloqueio nas estradas, pontes, obrigando as pessoas a caminharem a pé para trocar de ônibus na BR 158,...

Antes de terminarmos essa carta chegou a notícia da continuidade da barbárie, atingindo diretamente a aldeia dos Xavantes com a derrubada de uma ponte deixando-os completamente isolados sem água potável e alimentos suficientes para aguardarem o fim da operação desintrusão, que lhes reparará essa injustiça que já dura meio século.

Acreditamos que o aparato montado para executar o processo de desintrusão deva, ao mesmo tempo em que colocar os intrusos para fora, garantir que a vida das pessoas das cidades do Baixo Araguaia continue sem ter que ficar a mercê de um pequeno grupo de pessoas que querem a todo custo continuarem sobre ao território tradicional de Marãiwatsédé desde sempre.

Segue abaixo os nomes dos agentes de pastoral da Prelazia de São Félix do Araguaia que participaram da construção dessa carta, que tem como objetivo chegar ao conhecimento de entidades e autoridades constituídas desse país, a fim de juntos buscarmos uma solução para esse estado de coisas, garantindo a segurança do povo xavante que aguarda com ansiedade a hora de tomar posse de uma vez por todas da terra que lhes pertencem.

Pedimos aos companheiros e companheiras que na medida em que forem lendo essa carta acrescente o seu nome para fortalecer mais ainda esse grito de defesa a Vida.

Diac. José Raimundo Ribeiro da Silva

Rita de Cássia de Azevedo

Pe. Paulo César Moreira Santos

Francisco Machado

Diac. Eliseo Gobato

Umbelina de Oliveira

Ir. Olímpia Soares

Ir. Eismar Vieira

Francisco Morales

Felix Valenzuela

Graziela Cruz

Paulo Gabriel

 

Grupo de Trabalho de Mobilização Social -- GTMS

  • enviar mensagens:- mobilizsocial@googlegroups.com
  • para sair do grupo:- mobilizsocial+unsubscribe@googlegroups.com
  • para entrar no grupo - mobilizsocial+subscribe@googlegroups.com

www.ansaraguaia.org.br