“Respeitável” público?

Compartilhe

07/11/2016

Maria Elisa da Silva Campos – 8º ano A


“Respeitável” público?

            Vivemos em um mundo altamente capitalista, modernizado e sem tempo, por isso buscamos alternativas variadas para esconder a monotonia e a exaustão da nossa rotina. No entanto, não podemos esquecer que o conceito de diversão abrange dois lados, e só é realmente divertido se não prejudica o telespectador nem o piadista.

            Foi-se a época em que animais selvagens fazendo números inusitados no circo era “bonitinho”, assim como foi-se a época em que o cigarro era algo elegante.

            Retirar os bichinhos de seu habitat e forçá-los a viver em cativeiro denomina uma prática no mínimo ignorante de nossa parte. Resultantes dessa “diversão”, estão o sofrimento, medo, submissão, privação, castigos cruéis e esgotamento físico e mental desses animais.

            Um fator contraditório é que ao mesmo tempo em que temos aversão aos casos de extinção de espécies gerados por desmatamento e poluição, não temos a capacidade de abranger nosso olhar para problemas do mesmo tamanho como as touradas, o uso de animais em circos e as orcas no SeaWorld.

            Ambos, o cigarro e a diversão vinda de animais são prejudiciais para um dos lados, mas a maioria das pessoas preferem parar de fumar a deixar de fazer uma viagem para o SeaWorld, por exemplo. Até que ponto o nosso entretenimento tem direito de interferir na vida dos animais, e até que ponto podemos fazê-los sofrer em nome da “diversão”?

 

Salvar