CARTA ABERTA

Compartilhe

05/09/2011

CLIQUE AQUI PARA ASSINAR A CARTA ABERTA!

A Plataforma Terráqueos recebeu, no dia 05 de agosto, o seguinte e-mail:


Mensagem: Venho, através deste, fazer uma denúncia. Todos os dias passo pela BR-381 sentido BH- Carrefour. Passando pela Bamaq, existe uma passarela amarela sendo construída, e, logo abaixo, um campo com restos de materiais de construção onde vários cavalos servem de carga e descarga de materiais pesados, sob um sol escaldante. Como não consigo ver aquela cena todos os dias, venho recorrer a este meio de comunicação que agora temos em defesa dos animais. Tão próxima de nós e tão distante esta realidade. Não tenho fotos para apresentar, mas qualquer um que passar ali ao meio-dia pode ver a cena. Desta forma, se puder me enviar um contato de quem ou com quem posso passar esta denúncia para que os responsáveis passem a pagar um caminhão para carregar seus entulhos, ficarei muito agradecida.
Atenciosamente,
Carla Bernardes


Diante do que foi exposto, reunimos um pequeno grupo e estivemos no local. Lá nos encontramos com um dos carroceiros que nos autorizou filmar uma conversa. Saímos desse encontro com duas fortes impressões. Primeiro, é que o carroceiro não é o "malvado" da história. Ele é parte de um longo processo histórico e social de exclusão e miséria que marca a vida de tantos e tantos brasileiros. Como nos disse o Sr. José (nome fictício) , que aprendeu com o pai e é carroceiro desde criança, "essa foi a porta que me abriu". Seu estudo "não o deixou ir além", destino que, provavelmente, terá um de seus dos oito filhos. Dessa forma, o círculo vicioso de pobreza, falta de estudo, de oportunidade e subemprego, permanecerá.


Deixando esse contexto de miséria, passamos para a segunda figura, onde o pano de fundo é o sofrimento. O animal que puxa a carroça está na condição de escravo. É propriedade. Depende da consciência do seu dono para que tenha asseguradas condições mínimas de cuidado e bem-estar.


Após essas reflexões redigimos uma Carta Aberta que será enviada para as autoridades de Contagem. Nosso intuito é levantar a discussão e chamar a atenção do poder público para que não naturalizem essa condição de miséria e sofrimento e que elaborem um plano para que, "os filhos de José", não tenham mais a necessidade do trabalho escravo animal. Que haja uma política de inserção dos carroceiros em outros ofícios e investimentos em outras formas mais éticas de se resolver o problema do lixo urbano.

 

A Plataforma Terráqueos solicita a sua assinatura. Somente com uma grande mobilização é que conseguiremos ser ouvidos.

CLIQUE AQUI PARA ASSINAR A CARTA ABERTA !

 

Saudações
Plataforma Terráqueos
Pelas pessoas, pelo planeta, pelos animais!