Estudo diz que 8 milhões de pessoas poderiam ser salvas por ano com alimentação vegana

Compartilhe

Pesquisadores da Universidade de Oxford, da Inglaterra, publicaram recentemente um estudo que aponta impactos positivos de uma alimentação sem nada de origem animal (confira aqui, em inglês).

O objetivo da pesquisa era estimar, em números, quanto o estilo alimentar influencia na saúde dos indivíduos e no meio ambiente como um todo. Intitulado como “Análise e valorização das mudanças de saúde e climáticas – benefícios da mudança na alimentação”, o estudo coroou a alimentação utilizada pelos veganos como a mais benéfica.

“O que comemos influencia grandemente nossa saúde e o meio ambiente. Dietas não balanceadas, como aquelas com baixa ingestão de frutas e vegetais e com alto consumo de carnes vermelhas e processadas, são responsáveis pelo grande peso sobre a saúde globalmente e na maior parte das regiões. Ao mesmo tempo, o sistema de alimentação é também responsável por mais de 1/4 de todas as emissões de gases do efeito estufa e, portanto, um dos principais motores da mudança climática.” – afirmou Dr Marco Springmann, que coordenou o estudo.

Para chegar aos resultados, os cientistas consideraram quatro cenários alimentares e uma projeção que vai até o ano 2050. No primeiro quadro, os pesquisadores consideraram o padrão de dieta atual, rica em ingestão de produtos de origem animal e baixa ingestão de frutas e legumes. Como era de se esperar, esse grupo foi o citado na pesquisa como o de maior risco, especialmente levando-se em conta os dados epidemiológicos de doenças crônicas.

No segundo cenário imaginado pelos pesquisadores de Oxford, foi colocada a dieta que eles chamaram de onívora, aquela que tem produtos de origem animal, mas que também inclui porções razoáveis de frutas e vegetais. Se esse padrão – que é o mais próximo do utilizado pelos brasileiros – fosse adotado mundialmente, mais de 5 milhões de pessoas seriam salvas até 2050 e a economia global com gastos de tratamentos de saúde seria de US$ 735 bilhões.

No terceiro cenário, os pesquisadores imaginaram que o mundo inteiro teria deixado de consumir carnes. Se isso realmente acontecesse, 7,3 milhões de mortes por doenças relacionadas aos hábitos alimentares seriam evitadas todos os anos. A emissão de gases do efeito estufa seria reduzida em 63% e as despesas em saúde pública cairiam quase US$ 1 trilhão.

No quarto e último cenário, a pesquisa imaginou o mundo inteiro consumindo apenas alimentos de origem vegetal, como fazem os veganos. As emissões de gases prejudiciais à camada de ozônio cairiam incríveis 70%, 8,1 milhões de pessoas deixariam de morrer por doenças relacionadas à alimentação todos os anos e a economia com dias perdidos no trabalho e de saúde pública giraria em torno de US$ 1,4 trilhão por ano. Segundo o estudo, essa é de longe a melhor opção para o meio ambiente, para a saúde e também para a economia global.

Não era o objetivo da pesquisa considerar as incontáveis vidas de outras espécies de animais que seriam salvas se o mundo inteiro adotasse o veganismo (+), mas é mais do que óbvio que essa seria também a melhor opção para aqueles que estão morrendo nos matadouros.

FONTE: vista-se.com.br