Alunos de Mogi criam app para diminuir atropelamentos de animais

Compartilhe


Alunos do ensino fundamental de Mogi das Cruzes criaram um aplicativo de celular que dá orientações sobre como socorrer animais silvestres acidentados em áreas urbanas. O app Atropela Menos foi desenvolvido pelos alunos de robótica do Sesi 413, em Brás Cubas, como uma das tarefas para a oitava temporada do Torneio Sesi de Robótica. O estudantes foram nesta terça-feira (25) para Jacareí para participar da primeira etapa da disputa.

O aplicativo mostra onde os animais costumam aparecer e também cria um canal de comunicação onde o cidadão pode informar e encaminhar fotos, caso se depare com um animal silvestre em risco, além de trazer um infográfico com os locais onde animais já foram resgatados.

No aplicativo é possivel coletar dados sobre os animais silvestres mais comuns na região, ter contato das autoridades ambientais, a formas corretas de prestar socorro e ainda um canal onde é possivel indicar o aparecimento de animais silvestres.

A cada temporada do torneio, além de construir e programar robôs, os alunos são desafiados a desenvolver um projeto de pesquisa que ofereça solução prática e inovadora para um problema real. O tema é "Aliados Animais", que incentiva os competidores a melhorar a forma como seres humanos e animais interagem uns com os outros.

Os alunos de Mogi das Cruzes, que integram a equipe Tecnovibe, fizeram uma pesquisa sobre os animais silvestres, já que a fauna do Alto Tietê é rica. "É muito legal porque os alunos aprendem a trabalhar em equipe, criar estratégias, delegar funções. Além disso, apresentam uma solução prática para um problema do cotidiano da cidade", destacou a professora Alessandra Oliveira Santos.

Durante meses eles pesquisaram sobre o tema com profissionais especializados. A quantidade de animais silvestres resgatados na região, também chamou a atenção para o problema: Dados da Fundação SOS Mata Atlântica mostram que o Alto Tietê tinha, originalmente, 252 hectares de Mata Atlântica. Atualmente, restam menos de 52 hestares.

Em Mogi das Cruzes, uma das áreas onde ocorreu desmatamento é a Serra do Itapeti. Muitos condomínios estão localizados em áreas onde só existia verde. Com isso, os animais silvestres perdem seu habitat, o que torna comuns as ocorrências de acidentes, atropelamentos e resgates em áreas urbanas. "Estamos felizes porque conseguimos apresentar uma solução que pode fazer a diferença e não custa nada. Queremos reduzir o número de atropelamentos de animais silvestres nas nossas rodovias e de uma forma colaborativa isso pode acontecer", disse o aluno do 8º ano, Rodolfo Calasans, de 13 anos.

Uma das fontes do projeto é o médico veterinário Jefferson Leite, que voluntariamente já resgatou quase 80 animais silvestres entre junho do ano passado até hoje.

O aplicativo, também traz o infográfico Resgate Silvestre, criado pela jornalista Jamile Santana, que localiza geograficamente os pontos onde estes animais já foram socorridos pelo veterinário em Mogi. O infográfico também traz informações como a espécie do animal, endereço, data e onde ele foi encontrado, além de quais condições e qual foi o encaminhamento.

"Esta é a segunda vez que participo do torneio de robótica e nunca imaginei que pudesse criar uma ferramenta que transformasse a vida das pessoas. É um trabalho que vai ser usado mesmo após o fim do torneio", comentou a aluna do 7º ano, Bruna Harada, de 13 anos. O app já está disponível pelo link do Atropela Menos.

Torneio
Outra etapa do Torneio Sesi de Robótica é quando os robôs entram em ação. Conhecida como Desafio do Robô, essa etapa exige que os estudantes construam e programem um robô autônomo, capaz de cumprir missões predeterminadas. A prova é realizada em uma mesa de competição, na qual os robôs devem executar as tarefas programadas em até dois minutos e meio. No caso de Mogi, o robô fará atividades como levar comida, transportar ou liberar alguns animais.

As equipes são compostas por seis alunos, um técnico e um mentor. A pontuação de cada time é baseada em três requisitos: projeto de pesquisa (inovação, apresentação e pesquisa), projeto do robô (design do robô, programação e estratégia e inovação); e core values (inspiração, trabalho em equipe e profissionalismo).

 

FONTE: g1.globo.com

Salvar