A arte não diminui a dor da tragédia, mas homenageia.

Compartilhe

A arte não diminui a dor da tragédia, mas homenageia. O pequeno Aylan Kurdi marcou hoje o drama de milhares de refugiados do Oriente Médio e norte da África.

Jandira Feghali