Fazendeiros atacam mais uma área retomada pelos Guarani e Kaiowá em Ñanderú

Compartilhe



Indígenas Guarani e Kaiowá denunciaram no final da noite deste domingo, 30, novo ataque de fazendeiros e pistoleiros a uma das áreas retomadas na Terra Indígena Ñanderu Marangatu. Os indígenas não reagiram e os ruralistas ocuparam a sede da Fazenda Piquiri.

Procuradores do Ministério Público Federal (MPF) confirmaram a informação, além da ida da Força Nacional para o foco do ataque. Todas as áreas retomadas pelos indígenas estão dentro dos 9.300 hectares da terra indígena homologada.

De acordo com os indígenas, fazendeiros afirmaram que nesta segunda-feira, 31, pela manhã, os Guarani e Kaiowá estariam fora de todas as áreas retomadas durante a última semana. As forças policiais, de acordo com os Guarani e Kaiowá, não têm permitido a locomoção dos indígenas, mas não demonstraram o mesmo empenho com relação aos fazendeiros.

[...]

Lideranças Guarani e Kaiowá relataram no início da noite deste domingo, 30, que o caixão com o corpo de Semião Vilhalva, indígena assassinado ontem durante ataque de fazendeiros contra o tekoha – lugar onde se é – Ñanderu Marangatu, foi entregue à comunidade por um motorista terceirizado da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

As autoridades policiais não informaram aos Guarani e Kaiowá ou à Fundação Nacional do Índio (Funai) se o corpo de Semião passou por perícia de legistas federais ou ao menos por exames cadavéricos. O Ministério Público Federal (MPF) do Mato Grosso do Sul não foi chamado para acompanhar o procedimento ou informado de sua realização.

Conforme agentes do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), o indígena teria sido morto após levar um tiro na cabeça – os indígenas afirmam que o tiro acertou o rosto, saindo pela nuca. Os Guarani e Kaiowá, por questões envolvendo aspectos espirituais do povo, desejam enterrar Simão em uma das áreas retomadas de Ñanderu Marangatu, a Fazenda Fronteira.

No entanto, foram impedidos pela polícia. Os soldados fazem um cordão de isolamento entre a sede da Fronteira e os Guarani e Kaiowá. A fazenda é da presidente do Sindicato Rural de Antônio João, Roseli Maria Ruiz, que liderou o ataque dos fazendeiros. Depois da ação violenta deste sábado, a sede da fazenda ficou tomada pelos ruralistas. Os parentes de Semião afirmam que o tiro que o matou, às margens do córrego Estrelinha, partiu da sede da fazenda.

Bala de borracha

Além do assassinato de Semião, os indígenas questionam de onde partiram os tiros de bala de borracha que acertaram as costas e a nuca de um bebê de um ano, que na hora do ataque dos fazendeiros estava no colo da avó (foto acima). A arma é usada por polícias de todo o país. Os tiros partiram da polícia ou dos fazendeiros? Se os disparos foram efetuados pela polícia, o que teria motivado agentes do Estado a atacar junto com os fazendeiros? Caso as balas tenham partido de armas empunhadas por fazendeiros, como eles as conseguiram? Essas são algumas perguntas que as autoridades públicas deverão responder aos Guarani e Kaiowá.

Fonte: www.cimi.org.br