Manifesto coletivo

Compartilhe


Manifesto coletivo em agradecimento e apoio à atual administração da Sociedade Mineira Protetora dos Animais – SMPA (gestão 2014/2015)

“Tudo o que vive quer viver!”

São Francisco de Assis


Quando da intervenção pelo Ministério Público de Minas Gerais na Sociedade Mineira Protetora dos Animais – SMPA, em 2012, ficou patente e pública a situação da instituição. Encontramos animais na mais completa miséria, sem qualquer tipo de atenção e dignidade. Apresentou-se durante a visita técnica surpresa promovida por esse Ministério Público, apenas um pote de sorvete com medicamentos que estavam disponíveis para dezenas de animais. Animais em caquexia, feridas crônicas, muita sujeira, muito descaso. Todos os laudos técnicos foram contundentes e confluentes em caracterizar os maus-tratos.

Ora, todos nós protetores sabemos o quanto é difícil gerenciar um abrigo de animais. Os abrigos em geral estão superlotados, há carência de recursos e de mão de obra. O voluntariado é inconstante e as verbas sempre aquém do necessário. Entretanto, por mais complicadas que sejam as condições, nota-se nos “bons abrigos” uma preocupação com o bem-estar dos animais, sinais que as pessoas que ali estão se importam com eles. Isto não foi verificado em hipótese alguma durante a vistoria na SMPA, gestão 2012. Observou-se o contrário.

Como previsto pela nova diretoria e seus colaboradores, a situação estaria longe de melhorar.

O número de animais no mínimo duplicou. Por quê? Porque passaram a ser cuidados e as mortes diminuíram. Foram realizadas diversas parcerias com clínicas particulares e dezenas de animais foram encaminhados para tratamento. Sempre casos graves. Atualmente é patente o quanto a situação melhorou no quesito atenção, respeito a cada indivíduo, alimentação e medicação. A própria Dra. Flávia Quadros Campos Ferreira, atual presidente dessa entidade de proteção animal, abrigou em seu apartamento dezenas de filhotes em amamentação para que não sucumbissem às infecções não controláveis no espaço do abrigo, enquanto trabalhava arduamente junto ao poder público para uma solução mais efetiva para os animais. A mesma dedicação incondicional se pode ver nos comprometidos parceiros que atuam lado a lado com esta competente profissional à frente da atual gestão SMPA, em quem confiamos quanto à irrestrita dedicação àqueles frágeis e indefesos seres sencientes.

A realidade é que é impossível controlar a situação diante dos incessantes abandonos.


Atualmente é totalmente impossível a manutenção do abrigo. A única serventia do local é o abandono sistemático de centenas de seres sencientes em sua porta. Não há como administrar o local em termos sanitários. As paredes podem ser demolidas com um empurrão. A SMPA está na ponta de um problema muito maior quanto à superpopulação de animais e à falta de responsabilidade de seus pseudotutores. Hoje, feliz o animal que está solto nas ruas e não foi abandonado na SMPA, não por falta de comprometimento da atual diretoria, mas por falta de espaço físico e falta de condições de serem desenvolvidas quaisquer ações de bem-estar de forma sistematizada.

Mas felizmente, graças aos esforços da atual diretoria, as centenas de animais que lá estão atualmente terão um local apropriado, com espaço, vegetação, individualidade, atendimento médico e alimentação. O melhor é que bem longe de possibilidades de novos abandonos.

Que seja demolido o espaço, para que o convite ao abandono cesse. Deveria ser plantado um jardim em memória aos 17 fundadores dessa quase centenária entidade - visionários bem-intencionados, que em 1925 já vivenciavam a realidade e angústia de ver animais abandonados, propondo naquela época, no regimento interno, o vegetarianismo e a não experimentação animal.

Principalmente, merecem homenagem os milhares de animais que ali padeceram vítimas do descaso de administrações não comprometidas.

Por fim, nosso imenso agradecimento a toda equipe que atualmente trabalha voluntariamente pela SMPA, em especial, à honesta, comprometida, competente, responsável e abnegada Dra. Flávia Quadros Campos Ferreira, a quem estendemos todo o nosso apoio, pela coragem e determinação em assumir tão nobre, árdua e quase impossível missão, ao aceitarem administrar uma entidade criada para abrigar e salvar seres sencientes de tantos maus-tratos, em momento em que essa havia perdido totalmente seu propósito de existir.

Belo Horizonte MG, abril 2015

1.      Associação Bichos Gerais – Leonardo Maciel Andrade

2.      Blog Adoção BH – Graça Leal

3.      Comissão Interinstitucional de Saúde Humana na sua relação com os animais / CMS / PBH  – Ione Torquato

4.      ONG Asas e Amigos – Marcos de Mourão Motta

5.      ONG Cãoviver – Vicente Martins da Cruz

6.      ONG Ninho dos Bichos - Maria Antonieta Pereira

7.      ONG Proteger – Mariana Licéia

8.      Programa Adote um Amigo – Maria Antonieta Pereira

9.      Sociedade Galdina Protetora dos Animais e da Natureza de Caeté – Marilian Sena

10.   Movimento Mineiro pelos Direitos Animais – Adriana Araújo