BH avança na discussão sobre carroças e carroceiros

Compartilhe

 

A Cãopartilhe esteve, no dia 27/11, na 3ª Audiência Pública “Carroças e Carroceiros”, na Câmara Municipal de Belo Horizonte e conta-nos que a audiência alcançou quase 3 horas de duração e contou com a participação de presenças importantes, além de representantes da causa animal, como Adriana Araújo, Nádia Santos, Carla Roberta, Franklin Oliveira, Marimar Poblet, Dra. Edna Cardozo, Val Consolação.

“A discussão versa sobre as políticas públicas que tratam da regulamentação das carroças a tração animal, sob as bases da tão almejada implementação da Lei 10.119/2011, que cria rígidas regras para disciplinar a circulação das carroças em Belo Horizonte (a qual ainda padece de regulamentação) e da aprovação do PL 900/2013, de autoria do vereador Adriano Ventura, que autoriza o Poder Executivo a elaborar estudos e parcerias para a implantação do Projeto Piloto “Cavalo de Lata”.

Em, apertada síntese, foi possível reafirmar a relação respeitosa estabelecida, desde a última reunião, com Geovane Soares, presidente da Associação dos Carroceiros e a classe que representa, ante a retirada (provisória) do citado PL de pauta, desde que se tenha o cumprimento irrestrito do texto da Lei 10.119, principalmente no que se refere aos cuidados e respeito aos cavalos, tanto por parte dos carroceiros, como do Poder Público. Obtivemos também a perspectiva, informada pela representante da PBH, de regulamentação da mencionada Lei em até 6 meses. Em uma discussão pacífica, sem coações de ambos os lados, houve convergência de opiniões sobre a viabilidade de um período de transição, discussão e aprimoramento da necessária substituição da tração animal para a mecanizada, sem que presenciemos a degradação das famílias erguidas com base no trabalho dos carroceiros, assim, como o despreparo do Estado para receber os animais “aposentados”. A proteção animal pugnou, por óbvio, principalmente, pela integridade máxima destes animais, até que seja possível poupá-los definitivamente do trabalho escravo, ponto acatado pelos carroceiros.

Temos como vitorioso esse avanço intermediário em direção à extinção das carroças no futuro, fruto do empenho comprometido e equilibrado do Grupo de Trabalho criado para estruturar essa discussão, ao qual temos a satisfação de passar a integrar, a convite da Adriana Araújo, importante membro do Movimento Mineiro pelos animais, que nos representa, sempre com muita propriedade, neste e em outros encontros.

Conclamamos a todos que militam na causa de proteção animal para que se unam a este intento, que pode representar grande marco modificativo da situação a que são submetidos os cavalos no Município de Belo Horizonte. Lembrem-se: mais vozes gritando em uma mesma direção, em defesa daqueles que não podem falar, são capazes de construir um futuro verdadeiramente pacífico, onde animais e humanos convivam, minimamente, de forma equilibrada.”

 

Saiba mais: Ativistas lutam por efetivação de lei que regulamenta trabalho de carroceiros em BH

www.em.com.br/app/noticia/gerais/2014/11/27/interna_gerais,594389/ativistas-lutam-por-efetivacao-de-lei-que-regulamenta-trabalho-de-carr.shtml